domingo, outubro 17, 2004

E agora uma historia de uma democracia de encantar.

Era uma vez um País muito bonito à beira mar plantado, um País em que a democracia era a base de uma sociedade próspera, uma democracia em que havia um partido que escolhia, através do seu Conselho Nacional, o primeiro-ministro. Nesse partido não era congresso que escolhia o seu Presidente. Nesse partido quando se organizavam congressos os dissidentes não conseguiam votar. Esse partido conseguia afastar os seus militantes mais descontentes de órgãos de comunicação social.
Não esse partido não é o Partido Comunista da União Soviética.

A politica tem destas coisas tão engraçadas. =)

1 comentários:

Santana Lopes disse...

Portuguesas e portugueses deste blog, é bom que compreendam o dever cívico do contraditório e eu cá estarei para o que for preciso, caso contrário a existência deste blog vê-se seriamente ameaçada. Aviso-vos já que alguns ministérios não são para brincadeiras, e certamente alguém estará de olho em vocês. É so chamarem por mim, de quando em vez dou uma olhadela. Sem mais assunto, me despeço com amizade.