sábado, abril 11, 2009

A Fé de Todos Emile Nolde (1867-1956) - Crucifixion 1912 Crucifixion de Emile Nolde (1912)

Há coisas que só a fé salva, a fé, a teimosia, a ignorância e a estupidez, por isso se edifica estruturas burocráticas e administrativas para reger a fé. Falo de fé religiosa, claro está, a fé atávica da crença e das crendices, do dogma trazido e escrito por aqueles que vêem aquilo que escolhem ver, dos que fazem da fé uma carreira, não por ser apenas sua, mas dos outros.

Visto-me de roxo, por ao roxo pertencer a mortificação, de branco, por ao branco pertencer a paz, liberte-me o corpo do senhor deste mal. Não posso mais.

A estupidez tem limites.

Poderia ter, não existisse a fé, não tivesse o nosso pensamento ancorado à perversidade do medo e do sofrimento, ao fanatismo do porque sim, à condenação da crença e da descrença, não se assenhoreasse de um dos mais altos valores humanidade, tão frequentemente violado, o respeito pelo outro. Há algo mais absurdo do que as guerras entre religiões? A luta da estupidez, da batalha e da morte pelo mesmo Deus, sim, porque se Deus existe é igual para todos, mudem os ícones e os ritos, mas não se contradigam.

Não sei se Deus existe, sou um agnóstico educado na religião católica apostólica romana, não posso negar nem afirmar aquilo que não sei. Acho que só um estúpido não seria crente se a existência de Deus fosse aritmeticamente, matematicamente, filosoficamente demonstrada. Mas isso é impossível. No dia em que se chegar a Deus pela razão, espero não estar cá, seria mais um louco. À fé, já o homem chega pela razão, em raros casos, pela “iluminação interior?!?”, essa fé dos crentes, aparentemente tão divergente da dos descrentes ateus, mas ao mesmo tempo tão parecida, a redundância dos opostos, dos que discordam da fé dos crentes, usando precisamente o mesmo argumento, o de uma espécie de fé, a fé da certeza absoluta que Deus não existe.

Neste ano podemos lembrar-nos de como um lord protestante ferrenho, demoliu o criacionismo, há 150 anos. Charles Darwin demonstrou que o homem e todos os outros seres vivos sofreram um processo evolutivo, tendo em comum, a mesma origem. Lá se foi o ensinamento da bíblia que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, deixando a nu a crua realidade que não somos assim tão importantes e especiais como os animais que temos presos em casa e pagamos para ver no jardim zoológico. O que Darwin não respondeu, nem nunca ninguém irá responder é à génese das géneses e a essa, a razão que comanda o homem, nunca se irá sobrepor.

3 comentários:

Luís disse...

Não podia estar mais de acordo shihan.

Nimpo disse...

Nunca percebi bem a razão de existir destas "crendices", um jejum por semanas (sabe-se o diabo a razão de tal disparate) que se transformou numa imposição de comer peixe às 6as feiras (que chatice...). Mas bom, ainda bem que a nossa Igreja é "boazinha" para nós, e carrega os pecados de todos.. salvo, CLARO, se fizermos o amor com preservativo, isso sim um pecado mortal daqueles com bilhete directo para o Inferno.. coitadinhos dos espermatozóides.. humanos em projecto..

Roberto disse...

E Deus é homem ou mulher? Branco ou preto?

Hmm, para nao haver descriminação diria k é assexuado e multi-cor...

E como nasceu Deus? Terá sido por geração espontanea? Nasceu do ventre de uma mulher? ou de um "homem"?

O que é mais provavel, geração espontanea de Deus ou de pekenas células simples?

Há duvidas sobre a existencia de Deus? Sim há....para kem há....É uma kestão de fé....