domingo, abril 17, 2005

Turbilhão...

Mas que sentimento é este que se apoderou sobre mim? Como se fosse um mero objecto da vida, fluindo como uma folha ao vento, não sabendo onde vou parar. Como se nada pudesse fazer, nada pudesse alterar. Como se eu não existisse, tão insignificante é a minha existência. Como aquele sentimento de, de um momento para o outro, a vida deixar de ser o que sempre foi. Basta um pensamento, um gesto, um erro. Quem sou eu afinal? QUEM SOU EU? Não posso nada, não posso nada...

Afinal, quem somos nós?...

2 comentários:

Amendoim Acéfalo disse...

Que ultimos dias foram estes realmente, cheios de revelações que nos levam a pensar que realmente não sabemos nada e que nem tudo que se passa à frente dos nossos corresponde exactamente à realidade. Dificil por vezes é tomar pé da realidade e nunca deixar de aprender com erros para que eles pelo menos tomem algum significado.

Lili disse...

és a pessoa que eu adoro...