quarta-feira, dezembro 16, 2009

Robert Musil #1

Aproveitando a deixa do Shihan, inicio aqui um ciclo de citações de uma obra grandessíssima e complexa, mas que me está a dar um capricho especial a ler, pela forma lenta como a leio (sabe-se lá porquê).



Todas as profissões, quando não as exercemos por dinheiro, mas por amor, chega um momento em que o passar dos anos nos parece levar a um vazio.


Robert Musil, "O Homem sem Qualidades"

3 comentários:

O Shihan disse...

Curiosa esta afirmação...

Também não vejo a prática de uma profissão de uma forma onírica. Para lá da necessidade de ter de existir o mínimo de gosto, por aquilo que se faz, e se dá à sociedade, a realização pessoal só pode ficar completa com a devida compensação pecuniária. A vida em sociedade assim o dita, andando, enquanto a ordem das coisas assim se manter (dificilmente se alterará), a par com a companhia, de perto, dos nossos íntimos.

Nimpo disse...

Sem dúvida. Esta afirmação, aparentemente oposta àquilo em que acreditamos (quem segue uma profissão por gosto não deveria sentir-se vazio), mas é precisamente quem mais ama as coisas, quem dá mais importância ao que está ainda por realizar, que incorre nesse risco, de momentaneamente se desanimar.

O Shihan disse...

Exactamente porque nem sempre "amámos" verdadeiramente aquilo que julgámos "amar". Mas isso leva a outra questão, a da expectativa da realização e da realização propriamente dita. A tratar em outra oportunidade...