terça-feira, novembro 18, 2008



Melhor série de todos os tempos?


Acabei há uns dias de ver a série que muitos referem como sendo a melhor de sempre. 82 prémios, incluindo 5 globos de ouro, e 211 nomeações falam quase por si só. O que tem esta série de tão especial?

Primeiro que tudo, o seu realismo. A acção desenrola-se tal e qual como se fosse um documentário de uma família, com as suas rotinas, os seus bons momentos, os maus momentos... Tudo isto cria no espectador a ilusão de ser mais um elemento da história. À medida que a série avança, vamos assistindo ao evoluir de várias personagens, o crescimento de uns, o aparecimento de outros e a morte de vários (e morrem muitos personagens importantes). Um enredo em que as acções podem ou não ter consequências, tal como a vida real - imprevisível. A história não se centra apenas na perspectiva temática da máfia italo-americana. Esta é a base, o ponto de partida para um estudo profundo às dilacerantes repercussões interiores vividas pelos seus intervenientes, especialmente o personagem principal, Tony Soprano.


Ah, Tony Soprano! Este é, a meu ver, um dos personagens mais ricos e intrigantes da história da televisão. Um personagem que vive intensamente para duas famílias - a mulher e os seus filhos, e a máfia. Um criminoso rude, implacável, que apesar de tudo cativa pela sua aparente justeza humana, o seu charme e simpatia. A sua perdição pelo sexo feminino. James Gandolfini foi brilhante e convincente na interpretação do personagem. O palco principal da série é, verdadeiramente, o gabinete onde se reúne com a sua psiquiatra, praticamente todos os episódios. Aí, invocado e dissecado pela sua psiquiatra ao longo de dezenas e dezenas de episódios, o seu subconsciente emerge: a sua relação atribulada e infeliz com a mãe, certos marcantes eventos da sua infância, a sua depressão crónica, os seus ataques de pânico, os seus perturbadores pesadelos (ao longo da série são retratados vários) - um caos de arame farpado mental que explica, muitas vezes, as suas acções precipitadas. Mas outros personagens tão peculiares como marcantes vão entrecruzando o seu caminho, como a mãe de Tony Soprano, Ralf Cifaretto, Paulie Gualtieri ou Junior Soprano. 

A série é tão e somente, muito além de uma história de gangs ou da máfia, uma celebração da vida, a vida com os seus múltiplos problemas e escolhas difíceis, com as suas dramáticas consequências... Muitas vezes não nos resta mais do que optar entre um mal e um mal menor. Cabe a cada um reflectir e decidir, no fim, se Tony Soprano é um herói, vilão ou vítima do sistema implacável que o fabricou. Tudo pode acontecer, e o final da série, controverso e aparentemente desprovido de nexo, é, no seu simbologismo, tão original como aterrador e marcante, valorizando a inteligência de toda a série, como uma cereja no topo de um bolo - Sopranos.

"O criminoso usa a perspicácia para justificar actos hediondos. A terapia tem potencial para não-criminosos. Para os criminosos, torna-se mais uma operação criminosa" in A Personalidade Criminosa, Samuel Yochelson (Psiquiatra Americano).

3 comentários:

Skykodak disse...

Sopranos...De facto uma grande serie. Para muitos (tal como para mim) a melhor serie de todos os tempos, muito para alem de qualquer outra serie, pelo menos comparando com a maioria das series k andam por ai.

Sopranos de facto tem algo de especial. Para muitos, nao sera nada de especial, para outros sera fenomenal. Isso dependera obviamente da compreensao de cada um (como explicou o Eucinefilo anteriormente num dos seus comentarios).

O final de facto e a cereja em cima do bolo...um final que faz pensar....em que para mim so uma coisa pode ter acontecido ao Tony Soprano...

Concordo contigo Nimpo, e a realidade k marca a diferenca em Sopranos...e como tal o fim tinha k ser real...Nada de coisas forcadamente bonitas para embelezar o cenario...Simplesmente a realidade tal como ela e...

Isto fez de Sopranos a serie k foi..

Tenho dito...

Nimpo disse...

Já agora ficam aqui registados os que considero os 3 melhores episódios da série, embora todos os últimos da season 6 pudessem estar:

1º Season 6 episódio 21 "Made in America"
2º Season 4 episódio 9 "Whoever this is"
3º Season 2 episódio 13 "Funhouse".

O Shihan disse...

Esta série é absolutamente genial, do melhor que se fez e fará em televisão na área da ficção. Parabéns Nimpo, aqui ficou prestada a devida homenagem. Falta referir David Chase, criador e mentor de todo este projecto, tremendamente realista, brutal, dramático, cómico. O final é tão simples, original e arrebatador como toda a série.